Brasil: Táticas inovadoras empregadas pela PMSP

¿Cómo Así, este es el actuar del gobierno progresista? O protesto Não Vai Ter Copa terminou com 261 detidos na tarde -noite  deste sábado, 22FEV14,- o maior saldo de detenções em manifestações. No centro de São Paulo, houve quebra-quebra e agressões feitas por manifestantes e por policiais militares. Os participantes do ato foram cercados e detidos pela tropa que os acompanhavam, integrantes do pelotão ninja (cerca de 100 policiais), o grupo de policiais especializados em artes marciais.
 

 
A nova estratégia da PM era apoiada pelo emprego da Tropa de Choque e por um helicóptero e uma ampla estrutura de apoio logístico. O objetivo foi isolar os Black Blocs dos demais manifestantes. Pelo menos oito pessoas ficaram feridas – cinco PMs, dois manifestantes e um jornalista.
 
O tumultuo começou às 19h30. Os PMs cercaram um grupo de manifestantes na Rua Xavier de Toledo, no centro. No momento da detenção, nenhum deles estava cometendo vandalismo. A PM, porém, informou que só agiu após os primeiros atos de depredação.
 
A PM empregou a tática de identificar e isolar os líderes através da captura e detenção. Sempre movimentando-se muito,  indo desde o fundo até a linha da tropa com escudos, para realizar atos de agressão e violência aos policiais e dar instruções, para manter o nível de mobilização da turba e logo retrocedendo para o meio desta tornando quase impossível a detenção  dos líderes, mesmo que identificados. 
 
Os policiais empregaram grupos especiais que detiveram os manifestantes com golpes de artes marciais, como o chamado «mata leão», e desferiram golpes de cassetete. Eles retiravam um a um os manifestantes do meio do grupo
 
A ação dividiu os manifestantes em dois grupos. Uma parte deles, formada principalmente por Black Blocs, correu para o Viaduto do Chá, quebrando lixeiras, depredando duas agências bancárias e orelhões. Também atacaram PMs com paus e garrafas. O segundo grupo voltou à Praça da República, local de origem do protesto, e caminhou pacificamente para a Rua da Consolação.
 
Enquanto isso, os policiais reuniam os detidos na Rua Xavier de Toledo, entre as Rua 7 de Abril e o Viaduto do Chá. Um cordão de isolamento dos PMs impedia uma possível fuga dos detidos. A PM pela primeira vez uso um contingente, que em alguns momentos e local superava por 3 o número dos manifestantes. Essa demonstração de força, só pela presença, tem um poderoso efeito de  controle da turba. Para a imprensa ficou a boba definição como exposta pelo OESP : “o cerco da PM impedia .que qualquer pessoa visse ou filmasse o que estava acontecendo com os detidos.”
 
Os detidos  foram obrigados a aguardar sentados a chegada de cinco ônibus que os conduziram a 7 delegacias, onde foi feita uma triagem para que a polícia decidisse quem seria autuado em flagrante – entre os detidos, havia cinco jornalistas que estavam trabalhando.
 
Mais tarde, a PM deteve mais 50 pessoas no Vale do Anhangabaú, entre elas uma repórter do Estadão. Segundo a PM, os manifestantes detidos tinham máscaras, sprays, estilingues, bolas de gude e correntes.
 
A novas táticas de ação da PM de São Paulo, que conseguiu  uma larga detenção de manifestantes deixou apavorados os grupos de apoio aos manifestantes , como reportado pelo OESP:
 
“Segundo o coletivo Advogados  Ativistas, a polícia fez um boletim de ocorrência coletivo no qual acusa os manifestantes por desacato, resistência, desobediência e lesão corporal. O crime de lesão estaria relacionado a dosi PMs com braços quebrados durante o protesto. Segundo o advogado André Zanardo, os manifestantes foram fotografados e fichados como uma forma de intimidação para as esvaziar as ruas. «Vão chamar essas pessoas para serem ouvidas nas próximas manifestações cerceando o direito das pessoas de se manifestar».
 
Os detidos foram encaminhados a vários Distritos Policiais s 1º (Liberdade), 2º (Bom Retiro), 3º (Campos Elíseos), 4° (Consolação), 5° (Aclimação), 8° (Brás) e 78° (Jardins) .
Outra tática inovadora com o boa integração da PM e a Polícia Civil e o uso de vários Distritos que diminuiu  o emprego concentrados dos Grupos de Pressão e Agitação em apoio aos detidos.
 
Imprensa
 
 
Mesmo com o discurso recente originado pela morte do cinegrafista Santiago Andrade, da Rede Bandeirantes, no Rio de Janeiro, a primeira postura da imprensa e reforçada em matérias posteriores foi de uma posição agressiva frente à ação policial.
 
Especialmente pela detenção de seis membros da imprensa, mesmo identificando-se como profissionais. Aqui uma nova postura da PM, esta vem solicitando que os profissionais de imprensa assumam uma posição durante os tumultos junto à tropa.
 
A posição dúbia da imprensa que não quer se identificar para evitar represálias dos manifestantes e ao mesmo tempo querem proteção policial e mobilidade nos tumultos.
Muitas das depredações ocorrem somente devido a presença da imprensa que amplificará e dará foros de legitimidade aos atos destrutivos.
 
 
Análise
 
A brilhante atuação das Forças de Segurança de São Paulo na tarde-noite de Sábado (22FEV14), foi uma etapa de sucesso nesta corrida interminável da ciência de Controle de Tumultos.
 
Observar que a Polícia Militar de São Paulo, não aplicou a tática ancestral de dispersar os manifestantes, o que só geraria inúmeros pequenos focos de grupos atacando o patrimônio público e privado, e  sim envolve-los e retê-los antes de qualquer ação destrutiva.
 
– Qual será o próximo passo dos grupos participantes dos distúrbios?
 
– Qual será a próxima tática das Forças de Segurança?
 
– A Imprensa, em especial os Chefes de Redação, que têm jogado o seu pessoal na linha de fogo entre manifestantes e Forças de Segurança, adotarão uma nova postura?
 
 
DefesaNet cumprimenta o governo do Estado de São Paulo que liberou os seus homens das Forças de Segurançapara adotarem novas estratégias e táticas na Garantia da Segurança da população.
 
 
Nota – Em coletiva de imprensa o Comando da PM SP, na tarde de Domingo liberou os seguintes números.
 
Policiais envolvidos – 2.300 PMs
                                       cerca de 200 com treinamento de artes marciais
Manifestantes cerca de 1.500
Relação de PMs por Manifestante 1,5
Manifestantes detidos – 262
Depredações – Número menor que nos distúrbios anteriores
Feridos :     2 Manifestantes
                     5 Policias ( duas PM com braço quebrado)
 
Ponto Relevante – O Comando da PM informou que foram lançados menos bombas de gás, e de efeito moral. Também o disparo de poucas balas de borracha, fatos confirmado spelo UOL e Estadão.
 
Ao pedir um minuto de silêncio para o cinegrafista Santiago Andrade, o Comando da PM anunciou que 2.780 PMs morreram em serviço desde 1991. 
 
Por: Nelson Düring
Fuente: Editor-Chefe DefesaNet 

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.